terça-feira, 28 de setembro de 2010

Jogador de futebol cai da cama, sofre traumatismo craniano e corre risco de morte

jFarllyn, lateral-direito do Real Noroeste, vive drama após sofrer um acidente enquanto estava dormindo
Jogador, que teria caído da cama da concentração, passou por duas cirurgias e corre risco de morte


Farllyn, lateral-direito
do Real Noroeste
foto: Arquivo Pessoal
A família do lateral-direito Farllyn está vivendo um drama. Nesta segunda-feira(27), o jogador do Real Noroeste, time da cidade de Águia Branca, no Espírito Santo,  foi submetido à segunda cirurgia na cabeça em nove dias e segue internado em um hospital particular de Colatina. O procedimento, que durou cerca de cinco horas e terminou depois das 21 horas, serviu para a retirada de um pedaço do osso do crânio a fim de diminuir a pressão cerebral. Na semana passada, um coágulo foi removido da cabeça do jogador.

A versão oficial é a de que Farllyn, de 20 anos, sofreu traumatismo craniano ao cair do beliche em que dormia na concentração do clube, no domingo retrasado, 19 de setembro.

De acordo com o pai do jogador, Francisco Gaiote, os médicos vão dar um parecer hoje pela manhã. "Ele está sedado e parecia bem quando saiu da cirurgia. Vamos esperar até amanhã (terça), para saber o que os médicos vão dizer."

Francisco, que é de Marataízes, no sul do Estado, foi informado do suposto acidente no mesmo dia e está em Colatina para acompanhar a situação do filho. Porém, como, segundo ele mesmo, não tem condições financeiras de se hospedar em um hotel, a sua esposa e seus outros dois filhos tem dormido numa casa de apoio da Igreja Batista local.

"No dia 19, por volta das 19 horas, recebi o telefonema de uma pessoa do Real Noroeste, que me comunicou do acidente. Disseram que o meu filho havia sido hospitalizado em Barra de São Francisco e logo depois, transferido para Colatina.

Foi retirado um coágulo do cérebro dele e os médicos tentaram controlar o edema (inchaço), mas tiveram que operá-lo novamente porque a pressão no cérebro aumentou", explica Francisco Gaiote, que é técnico em enfermagem e massagista.


Atletas confirmam queda da cama
O volante Patrick, que também mora na concentração do Real Noroeste, e o lateral-esquerdo Fabricio negaram uma segunda versão, extra-oficial, de que Farllyn, na verdade, teria sido agredido por companheiros de time. Segundo os dois, a explicação dada pelo clube ao pai do jogador, da queda, é a que de fato aconteceu. Assista no vídeo ao lado a lances do lateral com a camisa da Tiva!

"Ele caiu do beliche de manhã, antes do almoço do domingo (19 de setembro). Os meninos que estavam com ele no quarto, Fafá e Diogo, acordaram com o barulho de ele caindo. Eu não estava na hora. Os próprios jogadores socorreram o Farllyn e o levaram ao hospital. Pelo que nos falaram, o estado de saúde dele está melhorando", diz Patrick.

"Eu não estava na concentração no dia do acidente do Farllyn. Nos domingos de folga, eu viajo até São Domingos do Norte para visitar a minha esposa. Eu não estava na concentração no dia do acidente do Farllyn. Nos domingos de folga, eu viajo até São Domingos do Norte para visitar a minha esposa. Mas Farllyn é muito brincalhão. Todo mundo gosta dele aqui. Ele não tinha atrito com ninguém. Espero que logo ele volte a jogar conosco", completou Fabricio.

Clube nega versão de briga na concentração
O técnico Paulo Ferreira também negou a versão da agressão, mas revelou que Farllyn participou de uma noitada com os companheiros de time e que só voltou para a concentração às 6 horas do domingo em que acabou sofrendo o trauma na cabeça. "É uma mentira absurda dizer que ele foi agredido pelos companheiros. Coisa de gente maldosa. Não havia nenhum outro funcionário no local, mas o que os atletas garantiram foi que ele caiu do beliche. Farllyn deveria estar de repouso, pois estava machucado e tomando remédios. Oficialmente, ele não bebe, mas não sabemos o que extamente aconteceu naquela noite", disse o gerente e treinador do Real Noroeste.
Fonte: WWW.GAZETAESPORTES.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar, só lembramos que não podemos aceitar ofensas gratuitas, palavrões e expressões que possam configurar crime, ou seja, comentários que ataquem a honra, a moral ou imputem crimes sem comprovação a quem quer que seja. Comentários racistas, homofóbicos e caluniosos não podemos publicar.

Postar um comentário