quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Filho mandou matar família Belota para ter herança, dizem suspeitos à polícia


Filho de vítima comandou mortes de família Belota por herança, diz SSP-AM
Dois confessaram crime e apontam familiar como mandante; ele nega.
Para secretário de Segurança, suspeitos apresentam 'perfil de psicopatas'.
Vários suspeitos foram ouvidos e presos nesta terça-feira (22) (Foto: Mônica Dias/G1)

Jimmy teria matado os três com a ajuda
de quatro cúmplices (Foto: Reprodução)
Três pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no triplo homicídio da família Belota, na noite desta terça-feira (22), em Manaus, segundo o diretor do Departamento da Polícia Metropolitana, Emerson Negreiro, e o secretário de Segurança Pública do Amazonas, coronel Roberto Vital. Segundo ele, dois confessaram participação no crime e apontam ainda o envolvimento do filho de Roberval, Jimmy Roberto, que nega. Mãe e filha foram encontradas mortas na manhã desta terça-feira (22) no apartamento da família. O pai do suposto mandante do crime também foi achado morto em outro local, com as mesmas características de crime.

Os suspeitos prestaram depoimento nesta terça e passaram por procedimento de flagrante na delegacia, localizada na Zona Leste de Manaus. De acordo com a polícia, o crime foi motivado devido a uma briga por herança. "Tudo leva a crer que a motivação foi por uma questão de herança. Estavam envolvidos três participantes, incluindo o Jimmy e o namorado dele, Rodrigo", explicou Negreiro.

O secretário de Segurança informou que o crime era planejado há três semanas. "Eles eram usuários de droga e disseram que estavam usando maconha quando cometeram o crime. Perguntei de um dos suspeitos e ele disse que foi motivado a participar do crime por dinheiro. Os suspeitos não demonstram nenhum arrependimento, têm perfil de psicopatas", ressaltou.

Apesar de Jimmy negar participação no crime, a polícia aponta o familiar das vítimas como mandante do triplo homicídio. De acordo com o delegado geral da Polícia Civil, Josué Rocha, Os depoimentos de todos os suspeitos são semelhantes, se confirmando, incluindo horários, forma como foi cometido o crime e motivação. "O Jimmy já começou a falar aquilo que tem conhecimento. Claro que algumas coisas vamos ter que alinhar com aqueles que estão confessando com detalhes o crime. Então é questão apenas do Jimmy confirmar o que eles estão falando, porque a maioria dos envolvidos tem o mesmo alinhamento na conversa, apenas ele está divergindo, mas em poucas coisas", disse.
Os três serão indiciados por formação de quadrilha, homicídio qualificado e posse ilegal de arma de fogo, pois foi encontrado com eles um revólver calibre 38.
Carro de Gabriela está na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) (Foto: Mônica Dias/G1)

Investigação
De acordo com a Polícia Civil, a empregada doméstica da família, que encontrou as duas vítimas, foi ouvida nesta tarde. Ela contou que, ao entrar na casa para trabalhar, viu a patroa caída no chão da sala. Assustada, teria ido procurar a estudante de odontologia Gabriela Belota no quarto para pedir socorro, e também encontrou a jovem morta.
Mãe e filha foram mortas em apartamento
(Foto: Reprodução/TV Amazonas)

O carro de Gabriela foi localizado no Prosamim da Avenida Sete de Setembro, no Centro da capital, e encaminhado ao Instituto de Criminalística, onde passará por perícia. O principal objetivo é coletar as digitais de pessoas envolvidas no crime.


Na tarde desta terça-feira, o secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP), coronel Roberto Vital, informou ao G1 que não é descartada a possibilidade de que os autores do assassinato fossem conhecidos da família. A hipótese foi levantada porque não houve indícios de sinais de arrombamentos na cena do crime. "Tudo ainda é muito prematuro. Não havia sinal de arrombamento, mas vamos investigar. Existe também a hipótese de os assassinos estarem de tocaia no momento em que as vítimas entravam em casa. A preocupação da polícia nesse momento é preservar o local do crime, colher todas as informações para provas. O próximo passo será ouvir todas as testemunhas", explicou o secretário.

Mãe e filha foram mortas dentro de condomínio na Zona Sul de Manaus (Foto: Camila Henriques/G1 AM)
Entenda o caso

A mãe Maria Gracilene Roberto Belota e filha Gabriela Belota, de 55 e 26 anos, foram encontradas mortas pela empregada doméstica por volta das 8h, com sinais de estrangulamento, no apartamento da família, localizado no Condomínio Parque Solimões, Zona Sul de Manaus.

O corpo da filha, que era acadêmica do curso de Odontologia, da Universidade do estado do Amazonas (UEA) e dona do blog de moda Se Joga, estava em cima de uma cama, enrolado em um lençol e o da mãe de 52 anos, que era coordenadora-geral de Comércio Exterior da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), no corredor da residência. O cachorro da família também foi encontrado morto. O animal estava embaixo da cama de Gabriela e foi degolado.

A polícia também investiga a morte do irmão da funcionária pública e tio da universitária, Roberval Roberto de Brito, de 63 anos, encontrado morto nesta manhã na Rua Rêgo de Barros, bairro São Raimundo, Zona Centro-Oeste, nesta manhã. Conforme a Polícia Militar, ele foi encontrado jogado em cima da cama com as mãos amarradas, também com sinais de estrangulamento.

Os corpos das três vítimas passam por perícia no Instituto Médico Legal (IML) de Manaus.

A polícia trabalha com as hipóteses de dívida de jogo e envolvimento com o tráfico de drogas relacionados com o homem morto. As imagens do circuito interno do condomínio estão sendo analisadas para tentar identificar pessoas que tiveram acesso ao apartamento das vítimas.


Marina Souza e Mônica Dias
Do G1 AM

Um comentário:

  1. Yes! Finally someone writes about bodrum area.
    Feel free to visit my homepage :: http://immobilienalanya.net/immobilien-bodrum

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar, só lembramos que não podemos aceitar ofensas gratuitas, palavrões e expressões que possam configurar crime, ou seja, comentários que ataquem a honra, a moral ou imputem crimes sem comprovação a quem quer que seja. Comentários racistas, homofóbicos e caluniosos não podemos publicar.