terça-feira, 21 de junho de 2011

Irmão de Luciano Huck fala da admiração pelo apresentador

Pôr o ex-presidente do Brasil Fernando Henrique para entrevistar uma presidiária que traficou drogas escondidas na vagina, no filme recém-lançado “Quebrando tabu”, e mostrar Caetano Veloso nu em “Coração vagabundo” (2009) são alguns dos feitos de Fernando Grostein Andrade. De nome, o cineasta, de 30 anos, ainda não é reconhecido pelo público, mas o rapaz já fez o suficiente para não ficar conhecido como o irmão do apresentador Luciano Huck.

Fernando dirige o recém-lançado filme "Quebrando tabu"
Foto: Marizilda Cruppe
— Admiro muito o Luciano. Como diz o nome dele, é uma pessoa cheia de luz, sem preconceitos, um exemplo — elogia Andrade, que teve o novo filme produzido pelo irmão, mas antes da fama fez de tudo: — Fui DJ, iluminador, voluntário da ONG Sou da Paz, até ver que o que me dava prazer na vida era ir ao cinema.

Andrade e Huck são irmãos por parte de mãe (Marta Dora Grostein). O pai de Fernando (o jornalista Mário de Andrade) morreu quando ele tinha 8 anos, época em que leu o “Eu, Christiane F. 13 anos, drogada e prostituída”.

— O livro me tirou a vontade de experimentar drogas. Mas, ao filmar na Rocinha, tive contato com o narcotráfico e fiquei intrigado como na Holanda se vende maconha no bar e, no mundo, a venda gera violência — diz sobre o que o fez filmar “Quebrando tabu”.

O filme conta ainda com depoimentos do ex-presidente do Estados Unidos Bill Cliton, do escritor Paulo Coelho, do médico Drauzio Varella, entre outros. Fernando Henrique conduz o documentário, que propõe a descriminalização e a regulamentação do uso das drogas.

— Paulo Coelho diz que a droga é ruim porque é boa. Dá prazer, mas pode tirar o que mais importante que gente tem, que é o nosso poder de escolha. Se um professor diz isso numa sala de aula se faz um enorme polêmica — observa ele, que reconhece ter experimentado maconha na adolescência e sugere o debate: — Provei quando jovem, mas no filme, não defendo o uso, sim, o acesso legal. Na rede pública não temos como tratar os dependentes, mas é impossível erradicar as drogas. E toda vez que alguém que critica essa lógica é taxado de apologista. Mas esse tabu, essa barreira, tem que ser quebrado.

Apesar de ter perdido o pai cedo, Fernando garante que não foi um garoto-problema.

— Não dei trabalho para minha mãe. Com 8 anos, eu era membro de uma associação de orquidófilos, em que a média de idade dos sócios era de 80 anos (risos). Na adolescência, morava em São Paulo, com idas e vindas frequentes ao Rio de Janeiro. Com 20 anos, fui morar em Nova York, onde estudei cinema — conta o rapaz, que já prepara um filme sobre o caso verídico do rapaz que foi sequestrado, e depois de matar o sequestrador no cativeiro, precisou provar sua inocência, e outro longa-metragem sobre convivência pacífica entre árabes e judeus. Pilhado ele, não?

EXTRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar, só lembramos que não podemos aceitar ofensas gratuitas, palavrões e expressões que possam configurar crime, ou seja, comentários que ataquem a honra, a moral ou imputem crimes sem comprovação a quem quer que seja. Comentários racistas, homofóbicos e caluniosos não podemos publicar.